Reformadora potiguar retorna à Vipal Rede Autorizada

Os reformadores de pneus estão cada vez mais convictos de que competitividade não passa apenas pela oferta de preços mais baixos. Afinal, ter um parceiro que ofereça o suporte que o reformador precisa para se destacar no mercado com preço justo é o caminho para o crescimento. É o caso da Renovadora Repecal, de Caicó, no Rio Grande do Norte, que após dez meses atuando sobre outra bandeira, decidiu retornar à Vipal Rede Autorizada, da gaúcha Vipal Borrachas. 

Sindipneus ministra palestra para vistoriadores da BHTrans

O Sindipneus ministrou hoje, 23, uma palestra voltada para os vistoriadores da Empresa de Transporte de Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans), com foco na reforma de pneus e no Tread Wear Indicator (TWI).

Reformadora de Fortaleza retorna à Vipal Rede Autorizada

 

Quem aprendeu com a estrada e é conhecida por encorajar os seus parceiros nunca é esquecida, mesmo depois alguns anos. É o caso da Vipal Borrachas. Depois de atuar sob outras bandeiras, a Renovadora de Pneus Nordeste, de Fortaleza (CE), retorna à Vipal Rede Autorizada. Agora, a empresa, administrada por Joseron Vasconcelos Rodrigues, chega com as expectativas renovadas e aposta na parceria para dar um novo rumo aos negócios.

Termina em abril prazo para pagamento da taxa de controle e fiscalização ambiental

Reformadoras de pneus de todo o país têm até o próximo dia 06 para efetuar o pagamento da Taxa de Controle e Fiscalização Ambiental (TCFA) referente ao primeiro trimestre de 2018. A taxa é uma das principais cobranças fiscais existentes em nosso país relacionadas à proteção do meio ambiente.  O valor arrecadado deve ser voltado estritamente ao controle e fiscalização ambiental, ficando, portanto, sob responsabilidade do IBAMA.

Parceria entre Sindipneus e Bianchini Advogados viabiliza redução de custos para as empresas

Não é novidade que a carga tributária brasileira, uma das mais altas do mundo, impacta diretamente o dia a dia das empresas instaladas no país. Como se não bastasse, a Receita Federal do Brasil insiste em exigir dos empresários tributos que, reconhecidamente, são ilegais ou inconstitucionais. Por esta razão, diversas empresas, inclusive do segmento de pneumáticos, têm alcançado mais competitividade ao deixarem de ser tributadas de acordo com as decisões judiciais.